Advogado larga tudo e vira chef especializado em hot dogs

“O PoPa Artesanal é a minha vontade de ter uma vida mais feliz”. Com tal singeleza, o chef Alexandre Park, de 51 anos, resume um dos preceitos de sua empreitada à frente de uma bike food – que fechada se assemelha a uma barraca de comida comum especializada em cachorro-quente artesanal, próxima da Avenida Paulista, em São Paulo (SP).

“Eu cozinho hot dogs artesanais, faço a própria salsicha, faço o próprio pão, tudo que eu sirvo aqui, eu mesmo faço, acrescido dos meus valores como cozinheiro ou como pessoa”, diz. 

Park foi advogado e trabalhou no segmento corporativo por 18 anos, quando decidiu abrir mão de sua carreira e iniciar uma jornada sabática de três meses fora do Brasil.

“Eu busquei na charcutaria uma forma de hobby para me desestressar e me concentrar em algo diferente da advocacia. Eu fiz uma viagem para os Estados Unidos, voltei [para o Brasil] e resolvi vivenciar a cozinha profissional”, relembra. 

Antes, porém, ele cursou uma pós-graduação em gastronomia na Universidade Anhembi Morumbi aos sábados, enquanto ainda exercia a profissão de advogado.

A transição profissional ocorreu em um nível de fazer inveja a qualquer cozinheiro, uma vez que Alexandre Park passou pelos renomados restaurantes Kinoshita, D.O.M., Manioca e Eñe até iniciar o PoPa Artesanal.   

“Para acumular conhecimento e, vamos dizer assim, me divertir”, brinca, respeitando o aprendizado que teve com os chefs de cada uma dessas casas. 

PoPa Artesanal: um negócio criativo

O espaço de comercialização do PoPa Artesanal tem mais ou menos dois metros comprimento por 0,80 centímetros de largura. 

De acordo com o chef, lá é apenas “a ponta do iceberg”, porque toda a base está em Santo André, onde existe a fábrica de alta produção. 

A salsicha PoPa é feita com carne de pernil, adicionada 25% de pancetta e embutida em tripa de carneiro natural.

Eu compro a peça, desossso, faço toda a limpeza, tiro a pele, os tendões e as nervuras. Deixo só a carne pura”, explica Alexandre. 

Vale destacar o rigor do preparo. Se alguma parte do processo de produção artesanal sair fora do padrão criado por Park, ele doa os alimentos para instituições beneficentes de Santo André.

E tem valido a pena essa reviravolta profissional e jornada empreendedora criativa.

Hoje eu acordo e digo: que delícia, vou trabalhar. Eu acredito muito na entrega de valores para o cliente, para se tornar um negócio rentável e que se mantenha. Criatividade é a expressão da soma dos valores que têm dentro do empreendedor”, resume. 

Confira a entrevista em vídeo:

PoPa Artesanal
Onde: Rua Peixoto Gomide, 870. São Paulo (SP).
Quando: De terça à sexta, das 14h às 22h; sábado, das 12h às 22h; domingo, das 12h às 21h.
Quanto: A partir de R$ 18.

Por Enio Lourenço
Foto 1: Encontro dos chefs Alexandre Park e Rita Lobo/ Popa Artesanal
Foto 2: Chef Alexandre Park preparando um hot-dog Popa Artesanal/ Mateo Monteiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *