Maquiagem artística substitui computação gráfica no cinema

Nem todo efeito especial no cinema ou na televisão é fruto de computação gráfica. Muitas vezes, os efeitos visuais que transformam atores e atrizes em monstros e duendes ou os envelhecem para incorporar determinados personagens são obtidos com uma técnica manual que passa longe da habilidade com o mouse: a maquiagem artística.

“Você sabe com quem está falando? Como não? Não vê que sou o Ben Stiller?”

A Prosthetic Renaissance é uma empresa especializada nesse tipo de make-up. Seus profissionais atuam na caracterização de intérpretes tanto em séries televisivas como na indústria cinematográfica.

“A limonada estava um pouco ácida”

Talvez nem o próprio tempo envelheça Ben Stiller tão bem quanto os anos carregados na maquiagem preparada pela Prosthetic. E o que dizer da composição de Shreks e Jessicas Rabbits que ganham vida palpável mesmo fora das telas?

“Cadê aquele coelho? Não, não o Pernalonga, o outro”

Quanto ao que fizeram com Hugh Jackman… Bem, podemos dizer que é necessário ter coragem para interpretar determinados papéis.

Parece que o Hugh Jackman engasgou com uma espinha de peixe ou algo assim

“Acho que estou um pouco nauseado”

“Só falo na presença do meu advogado”

“Alguém assopre um cisco do meu olho, por favor”

“Bem que eu falei para você cuidar daquela afta”

“Querida, como você está conservada!”

Isso é que é ter sangue nos olhos

Por QSocial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *