Marido presenteia mulher com cadeira de rodas para aventuras

“Onde você quiser ir, eu vou te levar”, prometeu Guilherme Simões, 32 anos, a Juliana Tozzi, 35. O casal, que havia realizado mais de 30 viagens juntos, viu suas vidas mudarem do dia para a noite após ela ser diagnosticada com uma síndrome neurológica rara, que limitou seus movimentos. Para continuarem desbravando montanhas, ele decidiu criar uma cadeira de rodas adaptada para aventuras.

Cadeira de rodas adaptada no alto de uma montanha

A cadeira de rodas adaptada possibilitou que o casal voltasse a se aventurar em viagens pelo Brasil

Após vencer um câncer de mama, a engenheira decidiu ter um filho. Mas, durante a gestação, surgiu uma nova complicação que só foi desvendada após o nascimento prematuro de Benjamin: uma degeneração cerebelar que a colocou em uma cadeira de rodas.

“Quando eu vi a Ju perdendo as coisas básicas da vida, como poder ficar em pé, ir ao banheiro sozinha e escrever, pensei em fazer algo que a deixasse feliz”, conta Guilherme. O engenheiro começou a pesquisar por modelos diferenciados de cadeiras de rodas, que possibilitassem carregá-la por trilhas.

Ele encontrou um equipamento europeu que daria conta de carregar a esposa, mas o valor de importação ultrapassava R$ 30 mil. A solução foi usar o modelo como inspiração para criar uma versão customizada do produto, com materiais disponíveis no mercado nacional.  

O equipamento foi projetado para conseguir passar por lugares estreitos e irregulares

Foi assim que surgiu a Julietti, uma cadeira com apenas uma roda, projetada especialmente para aventuras radicais. Ela é alta, para passar por pedras, e projetada para atravessar áreas mais estreitas. Com a invenção, Juliana pôde voltar a se aventurar com a família e amigos. 

Guilherme diz ser “muito cansativo para quem está puxando a cadeira”, mas reconhece que o esforço vale a pena. “A maior dificuldade para a Ju é colocar toda a confiança em pessoas que acabamos de conhecer, mas tudo isso se transforma em um sentimento de realização e superação em cada montanha conquistada.” 

Para que a Julietti se torne acessível a mais pessoas com deficiência, o casal criou o Instituto Montanha para Todos, que capta recursos com doações e patrocínios.

Eles também estão estudando a possibilidade de desenvolver outros equipamentos que viabilizem a acessibilidade em outras atividades e esportes radicais.  

Por QSocial

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *